Arquivo mensais:setembro 2013

Primeira experiência com componentes SMD

Usar componentes SMD pode ser vantajoso de algumas maneiras. Eles são mais baratos em geral. Os componentes mais sofisticados só são oferecidos nesse formato. E, mais que tudo, as placas são muito, muito mais compactas.

Por isso decidi aprender alguma coisa sobre montagem de circuitos usando esses componentes minúsculos. Para começar, escolhi algo bem simples, um multivibrador astável, com dois leds piscando alternadamente.

Alguma se coisas têm que ser levadas em consideração ao projetar esse circuito. A frequência é determinada por um circuito RC, através da fórmula T=0,69RC. O resistor que determina a corrente no LED deve estar em uma faixa de valores tal que não seja muito grande nem muito pequeno. Também deve ser suficiente para que a corrente acenda o LED. E a corrente também precisa ser relacionada ao ganho do transistor. Se o beta for 100, é necessário ter um resistor 100 vezes menor, aproximadamente, que o resistor do circuito RC. A escolha teve alguns chutes, já que havia um limite para os resistores cerâmicos que havia à mão. Como eu buscava uma frequência próxima a um hertz, o capacitor de 100 nanofarads disponível precisava de um resistor de alguns megaohms. O transistor usado foi o 2N2222 que tem um gente de por volta de 100. No entanto, para baixas correntes, esse ganho também cai. Então o resistor de carga precisa tal que a corrente seja suficiente para ligar o LED. Felizmente, o resultado foi satisfatório quando usei resistores de 30kΩ para a carga e de 3MΩ para o circuito RC, e capacitores de 100nF.

O esquema da placa de circuito foi aproximadamente este:

Eu só fiz algumas alterações para diminuir a distância dos contatos para o capacitor. Desenhei a placa com uma caneta de retroprojetor e coloquei em uma solução de vinagre e água oxigenada. Normalmente se usa percloreto de ferro para fazer a corrosão, mas eu buscava uma alternativa mais simples e segura. O vinagre é muito menos corrosivo, então a duração do processo leva mais tempo, quase uma hora. Mas isso não é um problema para quem faz isso por hobby.

E aqui está o resultado final. A placa não ficou perfeita, mas o circuito funciona:

A técnica de soldagem ainda não é a melhor. Eu usei solda comum, e com componentes SMD me parece mais adequado usar pasta em solda. No próximo circuito vou tentar aprimorar as técnicas para ter um resultado de mais qualidade.